quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

POWERSCOURT GARDENS - Irlanda



Jardim japonês


Jardim japonês


Jardim Japonês


Jardim japonês


Jardim japonês

 Jardim japonês

 

 Jardim japonês

Jardim italiano

Jardim italiano

Jardim italiano

Jardim italiano

Estatuária do jardim italiano

Fonte no jardim italiano

Jardim italiano

Jardim italiano
Por No machine-readable author provided.  

Tower valey

Tower valey

Tower valey

Tower valey

Tower valey

Tara's Palace

Tara's Palace


 Powerscourt House é um palácio da Irlanda localizado em EnniskerryCondado de Wicklow. Encontra-se rodeado por jardins paisagísticos no interior de uma vasta herdade, que ocupa atualmente 47 acres.
O palácio, originalmente um castelo do século XIII, foi extensivamente alterado no século XVIII pelo arquitecto alemão Richard Cassels, as obras foram iniciadas em 1731 e ficaram concluídas em 1741. Um incêndio, ocorrido em 1974, deixou a casa destruída até à sua renovação em 1996.
A propriedade, actualmente uma popular atracção turística, inclui um campo de golfe, um restaurante da empresa irlandesa Avoca Handweavers e um hotel Ritz-Carlton
O proprietário original do castelo do século XIII era um homem de nome la Poer, o qual foi, provavelmente anglicizado para Power. A posição do castelo tinha uma posição militar estratégica, a partir da qual o dono do castelo podia controlar o acesso aos vizinhos rios Dargle, Glencree e Glencullen.
O edifício de três andares tinha pelo menos 68 salas. O salão de entrada media 60 pés (18 metros de comprimento por 40 pés (12 metros) de largura e era onde as relíquias de família se encontravam expostas. As principais salas de recepção ficavam no primeiro andar, e não no piso térreo como tipicamente acontecia. Uma alameda de faias com uma milha de extensão conduz ao palácio.
O Rei Jorge IV do Reino Unido foi convidado de Richard Wingfield, quinto Visconde Powerscourt, em Agosto de1821. Mervyn Wingfield, sétimo Visconde Powerscourt, herdou o título e a herdade de Powerscourt, a qual compreendia 49.000 acres (200 km²) de terras na Irlanda, aos 8 anos e idade, em 1844. Quando atingiu os 21 anos, empreendeu uma extensa renovação do edifício e criou novos jardins.
A inspiração para o desenho do jardim resultou de visitas realizadas por Powerscourt aos jardins do Palácio de Versailles, próximo de Paris, do Palácio de Schönbrunn, próximo de Viena, e do Schloss Schwetzingen, próximo de Heidelberg. O esquema do jardim demorou 20 anos a desenvolver-se, ficando completo em 1880.
As principais atrações nos campos incluem a "Tower Valley" (com torre de pedra), Jardins Japoneses, estátuas de cavalos alados, Lago Tritão, cemitério de animais, Tanque do Delfim, jardins murados, Portão Bamberg e o Jardim Italiano. A Torre Oimenteira, anteriormente acessível aos turistas, mas agora indisponível, terá sido desenhada depois de uma oferta de três pimenteiras a Lady Wingfield. De particular interesse é o cemitério de animais, cujas lápides têm sido descritas como "surpreendentemente pessoais"
Richard Cassels, situado em posição de comendo no alto de uma colina, desviou-se ligeiramente do seu estilo sombrio habitual, para dar ao palácio um aspecto a que John Vanbrugh chamaria de castle air (ar de castelo), uma severa fachada Palladiana limitada por duas torres com cúpula.
Na década de 1830, o palácio foi cenário de numerosas conferências sobre profecias bíblicas não cumpridas, as quais foram frequentadas por homens como John Nelson Darby e Edward Irving. Estas conferências foram promovidas sob os auspícios de Theodosia Wingfield Powerscourt, então a venerável Lady Powerscourt.
O palácio foi destruído pelo fogo no dia 4 de Novembro de 1974, durante a posse das famílias Andrews, Childers e Brennan e, mais tarde, recuperado em 1996. Apenas duas salas estão abertas ao público tal como apareciam no tempo em que estava habitado, enquanto que o resto do renovado edifício foi convertido em lojas.

O simbolismo do jardim

O Jardim Japonês fica maravilhoso na primavera, quando as  azaléias estão em plena floração e suas flores perfumam o ar, e no outono com as cores vibrantes dos  bordos japoneses . Lanternas de pedra guiam através de caminhos sinuosos do jardim, levando-o até seu círculo mais íntimo. Aqui você vai encontrar um pagode e um riacho escorrendo sob pontes no estilo japonês. O próximo círculo é marcado por um anel de Palms Fortune chineses, que têm sido cultivada na China e no Japão há milhares de anos e foram levados primeiro para a Europa em 1830. O círculo superior oferece vistas deslumbrantes sobre o Jardim Japonês e o Pão de Açúcar ( uma montanha da Irlanda) à distância. Existe um conceito por trás de cada desses belos círculos: trabalhar para dentro, descobrimos nosso eu interior, trabalhar para fora e para cima ganhamos um maior conhecimento do mundo que nos rodeia.

Da Gruta

Leve o seu ente querido para ir a uma das mais antigas características de Powerscourt jardins, ao lado do Jardim Japonês. Esta é uma gruta elaborada para namoro no jardim do primeiro Visconde  1740. Um ar de romance do século 18 ainda permeia aqui, com seus caminhos secretos e atmosfera romântica. A gruta é feita a partir de esfagno fossilizados, tirada às margens do rio Dargle, próximo ao jardim.. Ouvir os sons da água escorrendo pelas paredes da gruta coberta de musgo, é verdadeiramente refrescante!  Antes de sair do jardim japonês, jogar uma moeda para o poço dos desejos traz boa sorte!
A Torre do Vale é um vale arborizado, com muitas variedades de árvores para que você aprecie. Quando você visitar Powerscourt, olhe para as árvores ao seu redor, com suas diferentes formas, texturas, troncos poderosos e intrigantes. As árvores em Powerscourt foram plantadas ao longo dos últimos dois séculos e agora existem mais de 250 variedades para você descobrir. 
Embora muitas destas árvores sejam uma visão familiar para nós, quando foram plantadas foram na sua maioria plantas novas, coletados das Américas e de todo o mundo. Mantenha-se atento para as coníferas da América do Norte, que foram as plantas "exóticas"  do século 19. O clima relativamente frio de Powerscourt tem ajudado muitas dessas árvores a crescerem rapidamente. 
Outros tipos de árvores na Torre do Vale incluem o Spruce Sitka, cedro vermelho ocidental, abeto europeu, Dawn Redwood, Torrey Pine e o Sequoia Gigante, entre outros. Muitos destes são rotulados.


A Powerscourt Cachoeira é a maior da Irlanda  com 121m (398 pés) e está a 5 km do principal Estate. Ela está situada em um dos parques mais bonitos da Irlanda, no sopé das Montanhas Wicklow.



FONTES:
https://pt.wikipedia.org/wiki/Powerscourt_House
http://www.powerscourt.ie/gardens
CRÉDITO DAS IMAGENS :
 http://www.powerscourt.ie/gardens
Por No machine-readable author provided. Hofi0006 assumed (based on copyright claims). - No machine-readable source provided. Own work assumed (based on copyright claims)., CC BY-SA 3.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=261134


domingo, 25 de dezembro de 2011

O ACER E SUAS LINDAS FORMAS E CORES



japanese-maple-tree-chuck-roderique
red-maple-tree1

Large Maple Tree in Autumn Bass Lake, North Carolina





Ácer-japonês




Eu amo esta árvore, o ácer e sua capacidade de se vestir das nuances do laranja ao vermelho no outono.  Na primavera estão verdinhas, o tempo vai passando e elas vão mudando seus tons até chegar a este tom avermelhado, lindo. Com elas não há como errar a estação, vermelho=outono.

O ácer ou bordo (sinônimo) é uma árvore (ou arbusto) do gênero Acer. Existem aproximadamente 125 espécies, a maioria das quais são nativas da Ásia, mas várias espécies também ocorrem na Europa, África setentrional e América do Norte.
As diferentes espécies de bordo ou são classificadas numa família própria, a Aceraceae, ou (juntamente com a Hippocastanaceae) incluídas na família Sapindaceae. Classificações modernas, incluindo a classificação do Grupo de Filogenia de Angiospermas, favorecem a inclusão em Sapindaceae.
A palavra ácer deriva de uma palavra latina que significa "agudo" (referindo-se às pontas características das folhas) e foi empregada pela primeira vez para o género pelo botânico francês Joseph Pitton de Tournefort em 1700 .
Da seiva da árvore é produzido o xarope de bordo ou xarope de ácer, consumido principalmente com torradas, panquecas e rabanadas. Além do xarope, também a madeira é amplamente utilizada. 
A madeira do bordo é uma das mais utilizadas no fabrico de instrumentos musicais, principalmente de baterias, braços de guitarras e baixos eléctricos. A sua abundância, timbre cristalino e definido e dureza tornam-na ideal para tal.
bandeira do Canadá apresenta uma folha vermelha de bordo estilizada, a qual é um proeminente símbolo nacional. A folha de bordo também é o símbolo do jogo online MapleStory da Wizet e Nexon.
Devido à sua floração ocorrer logo no início da primavera, alguns bordos se tornam uma importante fonte de pólen e néctar para as abelhas nesse período. Embora cada flor sua seja pequena, o efeito de uma árvore inteira florida pode ser espantoso em algumas espécies.














O PODER CURATIVO DOS EUCALIPTOS


Um Libertador da Melancolia e da Tristeza

Vera Lúcia Monari


00000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000

Nota do Editor:
É possível ser amigo de outros seres, além dos seres
humanos.   Os budistas sabem disso: para eles, o universo
é uma comunidade viva,  uma fraternidade  infinita de seres
biológicos e não biológicos.  Os pitagóricos ensinam sobre
uma “amizade universal” que nos une às estrelas e astros no
céu.  São Francisco de Assis chamava de irmãos o sol, a lua,
o vento, a terra, a água e o fogo.  Olavo Bilac defendia a tese
de que é possível ouvir as estrelas. E os animais? E as pedras?
E os vegetais? Podemos sentir amizade por esta ou aquela árvore.
Motivos não faltam.  Pode ser porque ela nos dá sombra, ou porque
comemos seus frutos. Pode ser  porque ela abriga pássaros que
cantam,  ou porque que ela embeleza a paisagem.  Mas também é
possível ter  uma  amizade direta e consciente com toda uma espécie
de árvores. Os eucaliptos, por exemplo. Eles acompanham muita gente
desde a infância.  O calmo diálogo do vento com suas folhas rodeia
e inspira milhares de brasileiros [e portugueses] de todas as regiões. Considerados
como vilões ecológicos por alguns ― pelo fato de não serem nativos,  e
por absorverem muita umidade do solo ― os eucaliptos têm, no entanto,
poderes curativos e influências sutis mais importantes do que se pensa.

00000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000


Eucalipto - Eucalyptus Globulus
  
O eucalipto é um libertador da preocupação, da melancolia e da tristeza.

Tradicional óleo australiano, de ação descongestionante e expectorante acentuada, é usado para tratar gripes, resfriados, bronquites, tosse e peito congestionado, assim como é muito usado para combater malária, cólera e tifo.

Por suas propriedades bactericida, virótica e anti-séptica, é um óleo muito utilizado em ambientes onde há pessoas doentes, por ajudar a manter o espaço físico protegido e arejado contra os germes; tem grande poder desinfetante, principalmente em períodos de doenças contagiosas, para prevenir que a contaminação se espalhe.

Os aborígenes nativos da Austrália, fazem uso deste precioso curador da natureza, o  Eucalipto, para tratar e curar todo e qualquer tipo de ferimento de pele como: feridas infeccionadas, queimaduras e picadas de insetos, assim como para  tratar das febres, inclusive a malária; é conhecido como a “árvore da febre” (indicado para febre com calafrios)  e  também a “árvore das cascas”.

As propriedades analgésica e anti-espasmódica deste óleo o habilitam como remédio para tratar e aliviar as dores musculares.

Cirurgiões que praticam a medicina tradicional do Ocidente descobriram, neste óleo, um excelente produto de ação anti-séptica, para ser usado em processo cirúrgico  das cavidades, na prevenção de infecção e contaminação hospitalar por bactérias.

Cirurgiões dentistas também fazem uso das propriedades do Eucalipto, quando estão a tratar de cáries nos dentes, para ajudar a eliminar as bactérias e fortalecer a saúde bucal.

Na Índia, o Eucalipto é muito usado para conter e combater doenças contagiosas, assim como tratar a febre.

Por sua propriedade descongestionante, é indicado para aliviar condições respiratórias deficientes, limpar o muco, aliviar o peso da cabeça, especialmente  em períodos de gripes e resfriados.

De efeito refrescante no sistema nervoso, é uma escolha muito apropriada  para tratar do cansaço mental,  falta de concentração, dores de cabeça causadas por tensão mental, neuralgia  e debilidade em geral.

Exerce propriedades diurética e anti-séptica no sistema geniturinário; age no processo de cura em casos de infecção urinaria e cistite; ajuda a aliviar o inchaço, em casos de retenção de líquidos.

Repelente da natureza, age contra o ataque de mosquitos, pernilongos, borrachudos e pulgas.

Como rubefaciente, atua muito bem para aliviar os sintomas de reumatismo, artrite e circulação fraca.

De acordo com a tradicional medicina chinesa, o Eucalipto é excepcional para limpar fleuma e calor dos pulmões. Isto o faz uma boa indicação para combate a ataques de gripes, resfriados, garganta inflamada, sinusite e bronquite crônica.

É classificado como tônico da energia Qi dos pulmões − energia vital − melhora as funções respiratórias e promove a boa absorção do oxigênio pelos glóbulos vermelhos.

O Eucalipto dissipa sentimentos negativos, associados com situações do passado que não deram certo, oferece “espaço interno” para respirarmos e nos libertarmos de velhos medos.  

Indicado para pessoas que se sentem cercadas ou oprimidas pelas circunstâncias da vida, em casa, no trabalho ou na sociedade em que vivem e anseiam por liberdade, novas experiências de vida, mas não ousam agir, por excesso de precaução, hábitos repetitivos, medo ou excessiva responsabilidade, evitando a criação de situações que proporcionem liberdade, para buscar novas experiências. Estimula o ânimo e a coragem para agir positivamente.   

(Vera Lúcia Monari é aromaterapeuta.)

Fonte :http://www.vislumbresdaoutramargem.com/2010/04/o-poder-curativo-dos-eucaliptos.html

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

ACÁCIA SENEGAL, A ÁRVORE QUE PRODUZ GOMA ARÁBICA!






Cada dia estou descobrindo quanta coisa ignoro. Quando comecei a postar cartas nos correios, lá sempre encontrava um vidrinho com pincel e um líquido viscoso chamado goma arábica com o qual lacrávamos os envelopes. Nunca me perguntei de onde vinha aquela cola, nem como era feita. Hoje, enfim, casualmente descobri que é oriunda da seiva de uma árvore.


A goma-arábica é uma secreção vegetal produzida pela espécie  Acacia senegal (família Fabaceae) em consequência de um traumatismo que resulte na perda dos tecidos superiores do caule que revestem e protegem a planta. Esta secreção é solúvel em água e utiliza-se desde os alvores da civilização.

No Egito faraônico utilizava-se para colar as tiras de linho com as quais se enrolavam as múmias... mais recentemente... como cola nos selos postais ...cartazes de parede ... como aglomerante em comprimidos... em gouaches (guaches) ... cola de papel de cigarro e envelopes ... espessante de xaropes ... sopas ... em litografias ... etc.

Quantas utilidades tem esta gominha e eu  nem suspeitava! Certo estava Sócrates quando dizia : Só sei que nada sei. Ele era tão sábio que foi capaz de fazer esta afirmação.








EM AGHARTA TEM MUITOS BEIJA FLORES

Os beija flores para mim são verdadeiros paradoxos, quanta beleza e delicadeza e ao mesmo tempo quanta resistência e força. Estas aves mimosas são para mim um dos maiores caprichos da natureza. Continuam desafiando o ser humano a fazer o mesmo que eles podem fazer, que pena, o homem ainda não conseguiu.




sábado, 17 de dezembro de 2011

As ervas medicinais dos Jardins de Agharta : Aloés

Fonte : Google Images
Fonte : Google Images

Fonte : Google Images

 Fonte da imagem: http://coopsaudegaroto.blogspot.com/2011/11anvisa-proibe-bebidas-e-alimentos-base.html  






Fonte: http://cantinhoda-zeze.blogspot.com/ 


A planta Aloe vera vem sendo utilizada desde a antiguidade como planta medicinal. Aqui no Brasil, seu uso sob a forma de produto industrializado só é permitido como aromatizante em cosméticos e produtos de limpeza. Há algum tempo atrás havia sido liberada a produção de sucos. Entretanto, a Agencia Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), em 14 l1/11/2011, proibiu o uso de Aloe vera na fabricação de alimentos e bebidas.  A proibição vale para importação, distribuição e comercialização desses produtos. O uso como aromatizante em cosméticos e produtos de limpeza, continua liberado.

Vejamos, agora informações sobre esta planta, disponíveis na Wikipédia.


A Aloe vera, conhecida popularmente no Brasil como babosa e em Portugal como aloés, é uma espécie de planta do gênero Aloe, nativa do norte de África. Encontram-se catalogadas mais de 200 espécies de Aloe. Deste universo, apenas 4 espécies são seguras para uso em seres humanos, dentre as quais destacam-se a Aloe arborensis e a Aloe basbadensis Miller, sendo esta última reconhecida como a espécie de maior concentração de nutrientes no gel da folha.

Pela Legislação Brasileira, somente cosméticos e medicamentos fitoterápicos podem ser fabricados industrialmente a partir da planta. Alimentos, como suco e isotônico vendidos em outros países, já estão autorizados a serem produzidos pois já foram feitas pesquisas relacionadas à segurança alimentar.

Aloe vera (do latim vera, "verdadeira" ou aloés tem um aspecto de um cacto de cor verde, mas este pertence à família dos lírios. Esta planta por dentro tem um líquido viscoso e macio.
A Aloe vera, floresce no começo da primavera, geralmente com flores de um amarelo vivo em uma longa haste que se projeta para fora do centro da roseta. Suas flores são ocasionalmente, de cor laranja ou vermelha.

Em uma planta já desenvolvida, a haste se eleva, geralmente, de 60 a 90  centímetros acima  da extremidade das folhas. Como suas folhas são suculentas, elas estão cheias de uma substância gelatinosa que pode ser extraída e então engarrafada ou incorporada em vários produtos
.
A Aloe Vera tem folhas espinhosas de cor verde, com o formato de lanças que crescem numa formação de roseta (tal qual pétalas de rosa). Suas folhas frequentemente crescem até 75 centímetros e podem chegar a pesar de 1,4 a 2,3 kg, cada uma.

A Aloe vera é uma planta originária de regiões desérticas. Por causado meio hostil em que se desenvlve, ela adquiriu inúmeras capacidades para sobreviver onde muito poucas espécies vegetais conseguiriam.

Além de crescer no deserto ela também só é encontrada em certas zonas tropicais do mundo e por esta razão não é muito conhecida em regiões de climas frios.

O Aloe vera é uma planta utilizada para diversos fins medicinais, há muitos anos. Geralmente é utilizada para problemas relacionados com a pele (acne, queimaduras, psoríase, hanseníase, etc.). Pesquisadores encontraram relatos do uso desta planta entre civilizações antigas como os egípcios, gregos, chineses, macedônios, japoneses e mesmo citações na Bíblia deixam claro que era comum o uso desta planta na antiguidade.

É um poderoso regenerador e antioxidante natural. A esta planta são reconhecidas propriedades antibacteriana, cicatrizante, capacidade de reidratar o tecido capilar ou dérmico danificado por uma queimadura, entre outras.

A babosa aplicada sobre uma queimadura ajuda rapidamente a retirar a dor, pelo seu efeito reidratante e calmante. Pelo mesmo efeito reidratante, lentamente irá reparando o tecido queimado, curando desta forma a queimadura.

A babosa tem poder de reter água para se manter o tempo todo bem hidratada, mesmo sob o calor produzido pelo sol escaldante do deserto.

Aloe vera é um excelente nutriente, com importantes proteínas, vitaminas e sais minerais. Com sua constituição química permite a penetração na pele e assim levar importantes nutrientes para as células vivas.

Contém várias enzimas cujas atividades não são totalmente compreendidas.
A Aloe vera também pode ser utilizada para regular o trânsito intestinal, sendo muito utilizada para casos de intestino preso e baixa absorção de nutrientes.

A planta Aloe vera vem sendo utilizada desde a antiguidade como planta medicinal. Aqui no Brasil seu uso sob a forma de produto industrializado, só é permitido sob a forma de aromatizante em cosméticos e produtos de limpeza. Há algum tempo atrás havia sido liberada a sua comercialização sob a forma de sucos. 

Entretanto a Agencia Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), E, 14/11/2011, O uso de Aloe vera na fabricação de alimentos e bebidas, foi proibido. A proibição vale para importação, distribuição e comercialização desses produtos. O uso como aromatizante em cosméticos e produtos de limpeza continua liberado.


Fontes: Wikipédia.
http://coopsaudegaroto.blolgspot.com/201/11/11/anvisa-proibe-bebidas-e-alimentos-base.html

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Rosinha de sol (Aptenia cordifolia)


Aptenia Cordifolia
fonte: florpedia.com


Fonte : florpedia.com
Fonte : http://www.huatan.net 

Mais uma vez estamos aqui a apreciar as suculentas ! Esta é popularmente chamada rosinha porque é bem miúda.


 Ela pode ser chamada também de Aptênia ou Maringá. Em espanhol é

 chamada de Rocio, Escarcha e Aptênia e em inglês de Sunrose. O nome

 científico Aptênia vem do grego apten que significa sem asas. Cordifolia

 vem do latim cordis e folius,  que significa coração e folhagem, devido a

 suas folhas em forma de coração. É nativa do sul do continente africano, 

de zonas litorâneas.


Tem ciclo de vida perene, é uma  rasteira que pode chegar a 15 cm de altura e mais de 2m de diâmetro ao todo. Um mesmo ramo pode chegar a 60 cm de comprimento. As folhas podem atingir 3 cm de comprimento e as flores até 2 cm de diâmetro.
As folhas são ovais, lembrando a forma de um coração. A coloração varia conforme a época do ano, passando de um verde intenso brilhante até um verde claro e menos brilhante. Há uma variedade que tem folhas com bordas brancas. As flores são brancas, amarelas, rosas ou vermelhas. Tem pétalas muito finas e numerosas.
Seu crescimento é horizontal, formando um tapete perene. Pode ser cultivada com outras suculentas ou cactos, mas como é rasteira e espalha-se muito, não deve ser cultivada com outras plantas de porte reduzido. É excelente para formar um tapete ao redor de árvores como palmeiras ou de copa pouco densa que permita que a planta receba muito sol.

Pode ser utilizada como forração, em canteiros ou maciços, bordaduras e vasos, principalmente suspensos. Em vasos suspensos fica pendente dando um belo efeito. Também fica muito bem em jardins de pedras e conforme se expande fecha bem o solo, impedindo o crescimento de ervas daninhas.
Na ponta de cada ramo forma-se uma espécie de dupla de chifres da mesma cor das folhas. Do meio destas duas antenas, ou chifres, abre-se um espaço, pelo qual sai a flor. Conforme o dia termina e a flor fecha-se, voltam em parte a abrigar-se neste espaço entre os dois chifres. As flores só abrem durante o dia e podem durar vários dias. 

Assim que o sol começa a sair de seu alcance começam a fechar-se. A floração dura toda a Primavera e Verão, podendo aparecer algumas poucas ainda no Outono e Inverno, dependendo da incidência de sol. A polinização é feita por abelhas e besouros.
O fruto forma-se entre as duas antenas ou chifres das quais saiu a flor, sendo muito pequeno. Este fruto é dividido em 4 gomos, que quando maduro e as sementes estão prontas seca.
Tolera temperaturas extremas, mas abaixo dos -5ºC a planta pode morrer se não for devidamente protegida. Como o próprio nome já diz, gosta de muito sol, mas pode ser cultivada à meia sombra também. Dá-se bem em qualquer tipo de solo. 

Como toda planta suculenta tem reservas próprias de água, mas precisa de uma rega regular para que mantenha-se com uma bela tonalidade verde nas folhas e com muitas flores, principalmente quando o tempo está quente e seco. Se a terra está sempre úmida não ficam com um verde tão intenso, ganhando uma tonalidade mais clara. Nunca pode ser encharcada durante a rega.
No inverno, principalmente em climas mais frios, fica muito feia, com muitos ramos secos e caem grande número de folhas. Convém, então, podá-la para que quando chegue a Primavera tenha um melhor crescimento e dê mais flores. Esta experiência foi pessoal. No primeiro ano não podei a minha Rosinha-de-Sol, no ano seguinte teve um crescimento modesto e deu muitas flores. 

Já no outro ano, como ficou muito feia no Inverno, podei os ramos mais longos, deixando-a com metade de seu comprimento. O crescimento na Primavera seguinte foi incrível, cobrindo completamente o vaso e expandindo-se para além dele, além de ter dado mais flores ainda.
A melhor época para a reprodução é em princípios da Primavera, mas se for cultivada em local de clima quente, qualquer época do ano pode ser feita sua reprodução. A multiplicação pode ser feita por estaquia, por sementes, divisão de ramas e mergulhia.
Ao preparar um vaso para recebê-las, convém misturar duas partes de areia, uma de composto orgânico e uma de terra comum. Coloque pequenas mudas feitas de pedacinhos dos ramos (estaquias) com pelo menos 4 folhinhas, em um espaçamento que deve ter 15 cm entre mudinhas. Mas dependendo das condições onde será cultivada este espaçamento pode ser ampliado, pois na Primavera cresce vigorosamente.

Durante os primeiros dias após o plantio deve-se regar frequentemente, mantendo a terra úmida, até que a planta enraíze. Não é difícil perceber quando a planta já se adaptou ao novo vaso. Nos primeiros dias após o plantio, as folhas ficam murchas, caso o raminho utilizado tenha alguma flor ela abrirá e fechará normalmente. Já as folhas só ganham melhor aspecto, voltando a ser grossinhas, quando a planta já se enraizou. Assim que isto acontecer, as regas podem ser mais espaçadas.
É uma planta invasora sendo que, se abandonada, pode continuar seu crescimento invadindo a flora nativa local. É comestível com sabor próximo ao espinafre.

Fontes : florpedia, jardineironet